São Martinho e CPqD validam tecnologia de banda larga móvel

São Martinho e CPqD validam tecnologia de banda larga móvel

No decorrer da atual safra de cana-de-açúcar, a Usina São Martinho iniciará a implantação de uma infraestrutura tecnológica avançada.

A Usina São Martinho, unidade da São Martinho S/A, localizada em Pradópolis (PR), iniciará a implantação de uma infraestrutura tecnológica avançada, que inclui aplicações de Internet das Coisas (IoT) criadas especificamente para esse segmento do agronegócio. Para isso, a Usina vai adotar uma rede privada 4G.

A infraestrutura é utilizada na transmissão de informações coletadas no campo, por meio de sensores, para bancos de dados e aplicativos onde serão processadas e utilizadas na tomada de decisões.

O envio dos dados, em tempo real, é feito por terminais veiculares inteligentes, também desenvolvidos pelo CPqD em parceria com a São Martinho, com base nos requisitos operacionais das usinas de cana. Esses terminais, que estão sendo instalados nos equipamentos agrícolas, possuem múltiplas interfaces: Wi-Fi (para conectividade local), CAN (usada em máquinas agrícolas para transmissão de dados de telemetria), GPS e RFID, além da interface LTE.

A tecnologia foi desenvolvida pelo CPQD com o apoio do BNDES e a participação da São Martinho e da Trópico, como parte do projeto AgroTICs, encerrado em dezembro, que teve como foco o aumento da eficiência da produção de açúcar e etanol por meio do uso de tecnologias da informação e comunicação.

Segundo ele, ao utilizar uma faixa de frequência inferior a 1 GHz – destinada ao Serviço Limitado Privado (SLP) pela Anatel – é possível implantar células com raio de cobertura de dezenas de quilômetros, provendo mobilidade com qualidade de serviço e taxas de transmissão elevadas.

Na Usina São Martinho foram instaladas dez estações radiobase LTE 250 MHz em seis torres, cada uma com raio de cobertura acima de 40 quilômetros – suficientes para cobrir grandes áreas com qualidade de transmissão de vídeo em tempo real.

Além disso, a solução implantada na São Martinho utiliza a plataforma IoT dojot, desenvolvida pelo CPqD, que suporta protocolos de Internet das Coisas para a coleta de dados do campo e assegura interoperabilidade para diversas aplicações. “A primeira aplicação IoT implantada na usina permite o monitoramento de máquinas agrícolas em tempo real e com visão georreferenciada”, diz Figueiredo.

Para a São Martinho, esses novos recursos representam uma ferramenta importante de aumento de produtividade e eficiência.

A tecnologia desenvolvida no projeto AgroTICS foi validada ao longo da safra de 2017, na Usina São Martinho, e já foi licenciada para a Trópico, empresa responsável pela produção e comercialização dos equipamentos.

Curtiu a notícia?

Curta também a nossa página

Deixe seu comentário